Tekilla debita entrevista a MT: “cepa torta que este país está”

Publicidade
Tekilla, figura incontornável do hip-hop nacional, que editou  seu terceiro álbum de originais: Erro Perfeito. O MT esteve esteve à conversa com ele.
– Como foi o início da tua carreira?
Sinceramente no início era apenas uma brincadeira com os amigos nunca tinha pensado levar a música a sério nem pensei que fosse bom a fazer o que fazia aliás…quando começou a escrever as minhas primeiras letras e a gravar nem gostava de me ouvir nem sequer das palavras que dizia, achava aquilo tudo muito horrível e sem melodia… (risos) mas com o tempo aprimorei a escrita e defini o meu estilo o que me fez ter algum destaque…
 
 
– Quem são as tuas principais influências musicais?
Humm neste momento nem sei muito bem como responder a essa pergunta visto que diariamente consumo tanta coisa e também depende muito do meu estado de espírito tanto posso acordar e apetecer-me ouvir Mobb Deep, Drake, Rick Ross ou um Schoolboy Q como de repente posso querer ouvir uma Erikah Badu ou um Musiq Soulchild, Jhon Legend, Jill Scott, Marsha Ambrosius ou Bilal mas varia muito…
– Que tipos de música costumas ouvir?
Oiço desde Jazz, Hip Hop, Soul, RnB, Funk, Jazz Cubano, Rock, Punk, Reggae, Ragga e Dance Hall estes são não só estilos musicais que oiço mas também consumo em formato físico compro cds sou colecionador serio…originais apenas!
– Como defines este novo disco?
Este álbum é eclético, muito mais musical, mais intimista mas também muito mais maduro e pessoal extremamente pessoal acho que é um daqueles trabalhos que quem não me conhece…após ouvi-lo sabe quem sou de onde venho e para onde vou…
– Qual é o teu sonho para os próximos tempos?
Sonhar sem realizar esses mesmos sonhos não me dá prazer na vida, estou a ser muito sincero porque todos os objetivos que delineei consegui concretizá-los mas tudo no seu devido tempo portanto não tenho sonhos apenas tenho sido surpreendido e prefiro continuar a ser surpreendido do que estabelecer metas e não conseguir concretizá-las que isso frustra e stressa portanto uma coisa de cada vez…sem grandes filmes nem milagres quem tem fé consegue alcançar tudo dure o tempo que durar…
– O que achas do atual panorama da música em Portugal?
Humm uma opima pergunta e gostei da frontalidade, eu como musico, artista, compositor faz-me imensa confusão A&R´S, Managers e uns quantos pseudo intelectuais na indústria apostarem em bandas foleiras sem futuro sem inovação nem criatividade nenhuma nem sequer a audácia de arriscar seja o que for para marcar a diferença no panorama musical nacional e acho isso medíocre! Acho que muitos andam a lutar para pagar contas e sustentar filhos, perdeu-se a essência o prazer de se fazer como deve ser sem olhar a politicas nem a editoras nem nada desse género porque isso sem muitas das vezes as pessoas aperceberem-se condiciona o processo criativo e desvirtualiza  o fator “Novo” e muitas bandas ou artistas tornaram-se repetitivos e chatos que acabam por estar em cartazes e festivais porque têm uma boa equipa, um bom team por trás deles a fazer o trabalho como deve ser mas a musica que era suposto falar mais alto que eles essa…esquece eneralizo mas sou uma pessoa que viaja, está presente, atento e participo de inúmeras coisas e vejo que Portugal quer e continua a insistir em frutos secos a espera que esses mesmos deem sumo…autêntica cepa torta que este país está e não só a nível musical, politica, moda, desporto tá no mesmo caminho…
Tínhamos de mudar o rumo a plenitude…
– E dos sites de música em Portugal?
Os sites esses têm uma opima função que é a divulgação e exposição artística o que desde já apoio só que o maior problema é que muitos dos jornalistas ou entrevistadores abordam temas tão mastigados que…ou muitas das vezes aparecem completamente despreparados pra entrevistar o artista por exemplo…pra mim não faz sentido nem nunca fará sentido uma pessoa querer entrevistar-me sem ter ouvido minimamente o álbum ou pelo menos fazer uma pequena pesquisa sobre o artista para que não haja semelhanças com os outros jornalistas ou por ai fora mas…nos dias de hoje no comments
– Qual a rádio preferida?
Radio Oxigénio simplesmente porque passa a melhor musica ponto final e não andam com tantas políticas nem estratagemas pra passar a música desde que seja boa independentemente do artista…é de louvar talvez a única aqui em Portugal
– O festival de estimação?
Nacional não tenho, nunca tive depende muito do cartaz e dos artistas mas o Optimus Alive é de uma dimensão megalómana algo que admiro e comparo aos festivais internacionais e  internacional o Wireless Festival em Londres no HydePark porque leva uma nova geração de artistas todos bons de diversos estilos musicais adoro…
– Um pensamento para partilhares com os leitores!
Façam somente aquilo que vos transmite algo e que de certa forma vos dê prazer, nunca façam nada contrariados que isso envelhece e aborrece…
Erro Perfeito esta disponível nas lojas se não tiver peçam nas lojas que eles encomendam(ouçam o meu novo single)!…  Obrigado!