Cristiana Águas edita amanhã disco de estreia

Publicidade

A nova proposta da estreia de Cristiana Águas, álbum produzido por Pierre Aderne que conta com a colaboração de músicos dos dois lados do Atlântico, este  disco de apresentação divulga  uma voz que há muito se conhece, tudo começa no fado.

Pierre Aderne ofereceu-se para produzir o álbum de estreia de Cristiana Águas e adivinhou-lhe «uma similitude» com Gal Costa. Não nos timbres, que são distintos, «mas pela entrega às melodias e aos poemas», escreveu o artista brasileiro que tanto Portugal tem dentro de si. Essa entrega certamente pesou na hora de escolher quem desse voz à Amália Rodrigues do grande ecrã e Cristiana emprestou-se à alma da grande diva quando o cinema a homenageou. E é essa entrega que lhe permite na sua estreia viajar pelo fado e por canções de outras latitudes, casando-se tão bem com a guitarra portuguesa como com o piano, ombreando segura e mágica com parceiros de aventura como Pedro Moutinho, Cuca Roseta ou Ney Matogrosso sobre músicas assinadas por Philippe Baden Powell, Paulo Mendonça, Luiz Caracol, Dadi, Pedro Esteves, Pierre Aderne ou Mário Pacheco.
Com uma equipa estelar de músicos portugueses (Luís Guerreiro, Carlos Leitão, António Quintino, Henrique Leitão) e brasileiros (Jorge Hélder, Ricardo Silveira, Jurim Moreira, Dadi, Mu Carvalho, Nilson Dourado, Gustavo Roriz), com misturas e masterização assinada por Mário Barreiros, a estreia de Cristiana Águas é um momento singular na produção musical nacional de 2014. É a estreia, ambiciosa e destemida, de uma voz com percurso e história, mas que só agora ousa sair da casa de fados e espraiar-se pelo mundo das canções.